O Que Motiva Uma Pessoa Criativa

Publicado em por Davi Junior

Pessoas produtivas e criativas não são assim porque isso traz algum benefício para os outros. Elas são assim por pura necessidade de serem produtivas e criativas. Essas pessoas seriam produtivas e criativas mesmo se elas morassem numa ilha deserta e tivessem que empilhar tudo que produzissem, elas fariam isso sem dar a mínima se outras pessoas iriam se importar ou beneficiar de alguma forma do que elas estivessem produzindo. Você irá escutar pessoas dizendo que ficamos felizes somente quando estamos servindo aos outros. Bom, isso é verdade, mas não é por causa de um senso altruístico de nossa parte. É verdade porque sentimos uma satisfação tremenda de estar produzindo alguma coisa. Tudo bem que outras pessoas possam se beneficiar do que produzimos, mas isso é secundário.

É bom saber que outros se beneficiam e usufruem do que nós produzimos. Existe alguma satisfação nisso, satisfação de ego e do desejo de produzir mais. Pois se todo mundo rejeitasse continuamente nossos esforços criativos e produtivos, nós nos tornariamos rabugentos e ressentidos.

Podemos interromper todos os nossos esforços por um tempo. Mas retornariamos, eventualmente, a tentar produzir alguma coisa com a esperança de que, eventualmente, alguém pudesse notar o que estamos fazendo.

Apresento aqui a história de pintores que estiveram a frente de seu tempo: Renoir é um deles, que foi ridicularizado não apenas pelo público em geral mas também por seus próprios colegas de profissão. Contemplamos hoje as obras de Renoir e ficamos perplexos em saber que uma coisa tão bonita e esplendida pudesse um dia ter sido objeto de escârnio. E ele pintou milhares de quadros, foi implacável em produzi-los. Quando ele levou uma de suas pinturas para um dos mais proeminentes professores parisienses, o especialista olhou para sua obra e disse, "Eu presumo que você faz suas pinturas de maneira casual, para se entreter". Renoir respondeu, "Mas é claro. Quando deixa de me entreter, eu paro de pintar". Tudo que ele pintava o encantava e ele pintava de tudo.

Até mesmo Manet uma vez disse para Monet, "Renoir não possui talento algum. Você que é amigo dele deveria dizer gentilmente a ele para que desistisse da pintura".

Um grupo de artistas que eram rejeitados pelo establishment de seu tempo formaram sua própria associação. Você sabe quem fazia parte desse grupo? Eram eles Degas, Pisarro, Monet, Cezanne e Renoir. Cinco dos maiores artistas de todos os tempos, todos eles fazendo o que acredetivam em face da total rejeição.

Mas já que estamos falando de Renoir, no final de sua vida ele sofreu muito de reumatismo, especialmente nas mãos. Ele vivia com dor constante. E quando Matisse fez uma visita ao pintor já idoso, ele notou que cada pincelada dada por Renoir lhe causava ainda mais dor, e então perguntou, "Por que você continua a pintar? Por que continua a se torturar?", e Renoir lhe respondeu, "A dor passa mas o prazer, a criação do belo, isso continua".

Uma dia quando ele estava com 78 anos, já bastante famoso e finalmente bem sucedido, ele disse, "Eu ainda continuo progredindo". No dia seguinte ele morreu. E essa é marca de uma pessoa criativa e produtiva.

Ainda progredindo, ainda aprendendo, ainda produzindo alguma coisa enquanto estiver vivo, apesar dos incontáveis obstáculos e dificuldades. Não produzir pelo prazer ou satisfação dos outros, mas produzir porque precisa fazer isso. Porque lhe dá prazer e satisfação.

Por Earl Nightingale (The Dean of Personal Development) - The Essence of Success
Traduzido por Davi Junior

Círculo Liberal | Curitiba | 2017